Raquetes mais esperadas de 2016: Yonex Dr 100

EZONEDR100_1

Olá pessoal, atendendo ao pedido do Rodrigo, estou trazendo aqui uma prévia de uma nova raquete que, com certeza, vai estar presente nas quadras em 2016, estou falando da Yonex Ezone DR 100.

A embaixadora dessa raquete é a suiça Belinda Bencic, outra jogadora que é mencionada como usuária dessa raquete é a sua compatriota Martina Hingis. Aliás, outra curiosidade em relação à Bencic é que a sua treinadora é mãe de Martina Hingis, isso mesmo, a tenista de 18 anos é treinada desde criança por Melanie Molitor (mãe e ex-treinadora da Hingis).

Bom, para falar da DR 100, inicialmente vou mencionar sua antecessora, a Yonex Ezone Ai 100, que foi uma raquete que joguei no início de 2015. Na linha Ai, a Yonex acertou em cheio, foram raquetes de qualidade, modernas e com excelente conforto. A Ai 100 agradou principalmente os jogadores que gostam de uma raquete mais “fácil” de se jogar. O sweetspot é enorme, a potência está presente, e o controle não deixa a desejar. Alguns até podem contestar, mas eu acho também uma raquete medianamente confortável. Então, o que podemos esperar de sua sucessora, a Yonex DR 100?

Para iniciar, vou mostrar as especificações da DR 100, em vermelho aparecem os valores relacionados à Ai 100.

Especificações da Yonex Ezone DR 100:

Tamanho da cabeça: 100″
Comprimento: 68,58 cm
Peso (encordada): 315 g (318 g)
Equilíbrio: 4 HL (3 HL)
Swingweight: 326 (327)
Rigidez: 69 (68)
Espessura do aro: 23 mm / 26 mm / 22 mm
Nível de potência: Fraco-Médio
Estilo de swing: Médio-Longo
Velocidade do swing: Rápido
Padrão de cordas: 16 x 19
Composição: HM Graphite, Nanometric DR, Quake Shut Gel (HM Graphite)

Temos cinco itens com alterações. O peso abaixou 3g, isoladamente isso não quer dizer muita coisa. O equilíbrio mudou para 4 HL, ou seja, moveu-se 0,32 cm (1/8 polegadas) em direção ao cabo, e o swingeight diminuiu para 326, talvez influenciado pelo novo balanceamento. Esses três itens (peso, balanceamento e swingweight) deixam a raquete um pouco mais manuseável, é uma alteração modesta, coisa de ajuste fino. Particularmente eu gostei, uma das coisas que me incomodava na Ai 100 era a manuseabilidade, prefiro raquetes mais HL, usava a raquete com grip de couro (Yonex ou Fairway) e 3g de chumbo no cabo (perto do buttcap).

Um item que não gostei foi o aumento da rigidez. Penso que eles poderiam ter mantido em 68 ou até baixado. A última alteração foi em relação ao material de construção, penso que a adição do Nanometric DR não muda praticamente nada.  Um item que foi pouco comentado, e que está presente na nova geração da Ezone, são os grommets mais abertos, proporcionando maior movimentação das cordas e um leve aumento no sweetspot, a princípio temos mais potência e spin. Penso que a raquete não muda tanto para 2016, foram feitos pequenos ajustes.

QuakeShutGel

Retornando a pergunta anterior, o que podemos esperar da Yonex Ezone DR 100? A potência e o sweetspot enorme da linha Ezone 100, com leves ajustes. Com certeza teremos um feel diferenciado, proporcionado pela mudança dos materiais na composição da raquete, nada muito de outro mundo. Será que essa nova raquete vai agradar aos fãs da marca japonesa? Eu acho que sim, mas somente o tempo pode responder essa pergunta! Penso que na Ezone DR 100 a Yonex não quis mexer muito no time que está ganhando, ela apenas ajustou alguns itens para deixar essa raquete ainda melhor que a sua antecessora.

Correção: Pessoal, o Fernando Vanzela me deu um toque, pesquisei mais e realmente, a Ai 100 já tinha o Quake Shut Gel, portanto, as mudanças da versão Ai 100 para a DR 100 são menores do que eu tinha imaginado, foram mais ajustes finos realmente.

Crédito das imagens: Yonex.com

36 Comments

Deixe uma resposta

Translate »